:: CALENDÁRIO ANUAL

Programação Anual

Plantio do Milho

E-mail Imprimir PDF

Plantar, cuidar e colher o milho faz parte do ritual de produção da matéria-prima para o prato principal da Festa. Para reviver e tornar público esta etapa que antecede o preparo da polenta, a Afepol arrebanha seus voluntários para promover o plantio, o cultivo e a colheita do milho. A intenção é reviver, da mesma forma que os nonnos, todo o ritual da cultura do milho.

O plantio acontece sempre no mês de abril. Crianças, jovens e adultos se reúnem para cumprir a primeira parte do ritual com a mesma simplicidade dos tempos antigos: roupas, comidas para o lanche e música para confraternizar no final.

Numa viagem no tempo para homenagear os imigrantes italianos, os voluntários arregaçam as mangas, colocam a enxada nas costas e vão para a roça. Num arado quase cenográfico, garante-se o milho que vai para o Paiol do Nonno. Lá, o turista, na ocasião da Festa da Polenta, pode ver como as espigas ficavam guardadas, prontas para serem debulhadas e virarem farinha no moinho de pedra.

Antigamente era assim: enquanto os homens abriam as pequenas covas, as mulheres vinham logo atrás semeando e cobrindo com os pés. E quando vem o cansaço, todos fazem uma parada com direito a café, crôstolli, broto de chuchu, banana da terra e inhame cozidos, pinsa e outras receitas do café dos nonnos.

Colheita do Milho

E-mail Imprimir PDF

Um grupo de voluntários, vestidos como os nonnos e as nonnas, colhe o milho, plantado no final de março, enquanto canta as tradicionais cancionetas italianas. Na pausa dos trabalhos, todos saboreiam um lanche com broa, banana cozida, crostoli e outras delícias típicas da culinária italiana. No final, uma farta mesa é oferecida aos participantes.

O milho colhido é usado para preparar a polenta servida na festa, nos carros que transportam o queijo gigante, na manhã de sábado, e também nas atividades do Paiol do Nonno, como a moagem de milho no moinho movido a água. A colheita é realizada uma semana antes da festa e serve para trazer um pouco do clima do tão aguardado evento.

 

Serenata Italiana

E-mail Imprimir PDF

Para voltar ao tempo em que a Festa da Polenta era um evento mais intimista e ao mesmo tempo lembrarmos da importância do culto aos costumes locais, surgiu a Serenata Italiana.

Dos quatro cantos da cidade (bairros Bananeiras, Vila Betânea, Tapera e , grupos com pessoas de todas as idades e caracterizadas como os imigrantes italianos saem à noite entoando cançonetas em dialeto. Um livreto com 22 das mais conhecidas ajuda quem não sabe a letra.

Ao longo do percurso nas principais avenidas, algumas famílias recepcionam os participantes em frente de suas casas com uma mesa cheia de delícias da culinária italiana e muito queijo e vinho. A cada parada antes de chegar ao destino, os “seresteiros” degustam crostoli, uma linguiça caseira frita, polenta feita na hora no “polentamóvel”...

Sempre em julho, a Serenata Italiana já se tornou um grande atrativo na cidade e um ótimo motivo para os filhos de Venda Nova retornarem à cidade para rever os familiares e amigos. O grande encontro entre os grupos é no Centro de Eventos onde aumenta a animação com apresentações do grupo de Ballo Granello Giallo e do grupo Toni Boni.

A Serenata Italiana é mais um movimento criado pela Afepol com o objetivo de fortalecer a cultura do imigrante. É um grande encontro das famílias com cara de festa do tempo dos “nonnos”.

Projeto Resgate da Cultura

E-mail Imprimir PDF

O Projeto Resgate da Cultura consiste em ministrar aulas de música nas escolas do município para, alguns meses antes da Festa da Polenta, promover o Festival de Música Italiana. A Afepol mantém o maestro Romualdo Falqueto, que cumpre uma maratona para ensaiar todos os corais formados pelas escolas. Em algumas versões, as escolas apresentaram trabalhos de pesquisa, abordando diferentes aspectos culturais.

As apresentações aconteceram na Igreja Matriz, geralmente no mês de agosto ou setembro. Em 2001, várias canções foram gravadas ao vivo para compor um CD.

Este projeto é a prova viva de que a Afepol vê nas crianças a grande oportunidade de difundir os valores culturais, independente da sua origem. A criança é a oportunidade presente de resgatar o passado, garantindo a história local no futuro.

Joomlart