A Festa
AFEPOL - Associação Festa da Polenta

Em 1991 é instituída a Associação Festa da Polenta - Afepol estabelecida como personalidade jurídica do evento no dia 31 de outubro, quando foi promovida oficialmente a primeira assembleia geral, com a eleição do primeiro presidente.


A primeira Festa da Polenta foi promovida em 1979 e até 1983 ficou sob a coordenação de padre Cleto Caliman, o próprio criador do evento. O evento acontecia no pátio da Escola Fioravante Caliman (antigo Colégio Salesiano), que numa nova fase pedagógica tinha padre Cleto como diretor.


Em 1984 entra no cenário seu sobrinho Sávio Caliman, que à frente da direção da escola também ganhou responsabilidade sobre o evento. O novo diretor tomava todas as decisões em conjunto com uma equipe de coordenadores. Ele ficou até 1988.


De 1989 até 1991, Alberto Falqueto ficou à frente da organização do evento, seguindo o modelo de trabalhar com diversos coordenadores de equipes. Com a instituição da Afepol, o primeiro presidente eleito em assembleia foi Vitor Maline Targa, que ficou à frente da direção dos festejos das edições de 1992 e 1993.


Com personalidade jurídica, a Festa da Polenta ganhou vida própria, mesmo continuando até 1994 acontecendo no pátio da Escola Fioravante Caliman. Em 1995 a Festa inaugura o Centro de Eventos Padre Cleto Caliman.


Sempre fazendo prestação de contas e aprovando a distribuição de grande partes dos recursos para as instituições filantrópicas de Venda Nova, a Assembleia Geral Ordinária elege bianualmente o novo presidente e o vice. A dupla compõe a diretoria e para juntos definirem os rumos do evento todos os anos. As reuniões sempre começam no início do ano, num ciclo de trabalho que só se fecha com as assembleias anuais.

A DIRETORIA DA AFEPOL E SUAS ATRIBUIÇÕES


De dois em dois anos o presidente, o vice e o Conselho Fiscal são eleitos em Assembleia Geral Ordinária (a mesma que aprova as contas e define a distribuição de parte dos lucros da última Festa da Polenta para as entidades filantrópicas de cunho social e cultural). O presidente e o vice definem então todo o corpo da diretoria com quem pretende atuar durante os dois próximos anos- e como não são eleitos podem ser substituídos, caso haja necessidade.


O presidente e o vice-presidente acompanham o trabalho de todas as áreas, que são divididas entre os membros da Diretoria, que debatem entre si as principais pautas.  A Diretoria Financeira analisa os orçamentos, negocia com fornecedores e organiza a equipe que irá atender nos caixas e retaguarda financeira durante todo o evento.


A Diretoria Cultural faz as contratações das atrações e preparam toda a programação da Festa. São decisões importantes, pois implica a identidade do evento e reverbera diretamente nos custos.


A Diretoria de Estrutura cuida para que toda estrutura física, equipamentos e utensílios estejam em perfeito funcionamento. Apesar das estruturas fixas (Casa da Nonna, Paiol do Nonno, Armazém da Polenta, Casa do Vinho ou Adega, banheiros e os três galpões), o evento demanda toldos, baias para venda de fichas, banheiros químicos, montagem de mesas e cadeiras.  Têm ainda as centenas de utensílios e equipamentos de cozinha e serviço de apoio.


A Diretoria Administrativa é responsável por acompanhar os serviços da secretaria, redigir as atas de todas as reuniões e auxiliar nos demais serviços. Nos últimos dois anos, a diretora ainda incorporou a responsabilidade de coordenar a equipe do Desfile de Eleição da Rainha da Festa da Polenta.


 Mesmo com a divisão por áreas, para que haja harmonia, todas as decisões são compartilhadas entre os membros da Diretoria. Quanto mais próximo à Festa, mais trabalho para essa turma, que conta com o apoio e ajuda de todos os coordenadores de equipes.


É um trabalho feito com muita dedicação durante o ano inteiro, que faz com que a Festa da Polenta se realize de forma organizada e com um clima todo especial de união e alegria.


 


Atual conformação da Diretoria:


Presidente-Camilo Meneguetti


Vice Presidente- Alberto Falqueto


Diretores Financeiros- Mayara Bittencourt Caus e José Fardim


Diretores de Patrimônio- Edgard Alves Justo Filho e Ademir Altoé


Diretores Culturais- Loreda Falchetto Venturim e Carlos Demian Feitoza Caliman


Diretora Administrativa- Fernanda Zandonadi Altoé


Mini Festa da Polenta


Evento ganha mobilidade ao fazer atrativos de forma reduzida


O sucesso da Festa da Polenta tem atraído a atenção de empresas, corporações e de eventos na capital capixaba e de até outros centros. E foi para levar um pouco da cultura do imigrante italiano de Venda Nova para outros Centros que os voluntários começaram a organizar os atrativos, de forma que a Festa ganhasse mobilidade.


Assim nasceu o próprio polenta móvel (que foi parar até no programa da Ana Maria Braga, na TV Globo) e o mini tombo da polenta. Com esta mobilidade e com a disponibilidade dos voluntários, é possível praticamente reproduzir a Festa da Polenta em outros espaços fora de Venda Nova.


Os recursos também são usados quando Venda Nova recebe alguma caravana e os organizadores da Festa da Polenta promovem um evento de menor porte dentro da Casa da Nonna ou no Paiol do Nonno, que fazem parte do complexo que abriga a Festa, o Centro de Eventos Padre Cleto Caliman.


Em todas estas oportunidades, a alegria do voluntariado é um ingrediente fundamental. A boa comida, a bebida e a música são elementos importantes para compor essa representação genuína da Festa da Polenta.


Voluntariado, Filantropia e Cultura sustentam a Festa da Polenta


Ao entrar no portão do Centro de Eventos Padre Cleto Caliman, em Venda Nova, para participar da Festa da Polenta, o público começa a desfrutar de uma experiência especial. A Festa da Polenta é um evento que proporciona a oportunidade de apreciar num só lugar a gastronomia, a dança, a música e centenas de outras manifestações culturais trazidas pelo imigrante italiano e resgatadas pelos seus descendentes.


Voluntariado


O voluntariado é uma das características que mais tornam a Festa da Polenta em evento especial. São pessoas que doam tempo e talento para produzir produtos e serviços da mais alta qualidade. É a força de trabalho de centenas de voluntários que faz a Festa acontecer de forma tão única.


A união e o voluntariado fazem parte dos ensinamentos das primeiras famílias e até hoje mantidos, pois nas primeiras décadas de imigração, as famílias sempre se ajudavam.Faziam-se verdadeiros mutirões para tornar mais leve a árdua luta do cotidiano.


A força do voluntariado, que ergueu importantes obras comunitárias e transformou a história do lugar, atua agora para manter as entidades sociais e culturais. E faz isso principalmente atuando na Festa da Polenta e também em outros eventos promovidos pela Afepol, como o Plantio do Milho, a Serenata Italiana e a Colheita do Milho.


Filantropia


Se as dificuldades do inicio da imigração ficaram para trás,  os problemas sociais que afligem o Brasil também replicam em nossa terra. Portadores de necessidades especiais são acolhidos pela Apae; a falta de estrutura na saúde pública e diferentes problemas culminam com os doentes na porta do Hospital Padre Máximo... Essas entidades são beneficiadas pelos recursos gerados pela Festa da Polenta, que são repassados pela Afepol todos os anos após a Assembleia Geral Ordinária.


Outras entidades e projetos culturais também são apoiadas com os resultados financeiros do evento. É para que o povo mantenha sempre em mente a importância de nossos valores históricos e culturais.


Cultura


O caráter cultural completa o tripé de sustentação da Festa da Polenta. Se a filantropia e o voluntariado são o combustíveis que fazem o evento continuar, a cultura é a grande motivação e fator de sedução de diferentes gerações em torno de um evento que reverencia os antepassados, tem compromisso com o presente e semeia o futuro.


São os costumes dos Nonnos e das Nonnas que fazem o visitante voltar ao passado e valorizar as coisas simples da vida. A gastronomia é um ponto importante-pois o alimento também tem a função agregadora da família- e está presente em quase todos os momentos e atrativos da Festa da Polenta. Podemos citar o prato típico em si (a primeira e grande atração), o Tombo da Polenta Gigante, a Casa e o Puxadinho da Nonna, o Paiol do Nonno... Em todos os lugares e momentos, a polenta é sempre a grande estrela.


Serenata Italiana- Uma prévia da Festa da Polenta em pleno inverno de Venda Nova


Em pleno inverno na Região das Montanhas, um público de milhares de pessoas vai para as ruas de Venda Nova para festejar a cultura do imigrante italiano, cantando, bebendo vinho e degustando as iguarias típicas. A Serenata Italiana sempre é nas férias de julho, época propícia para participação de muitos filhos de Venda Nova que moram fora da cidade e ótima para os visitantes aproveitarem o frio típico da região.


Os ''serenateiros'’ partem de quatro pontos diferentes da cidade (Lavrinhas, Bananeiras, Providência/Vila da Mata e Tapera), se convergindo no Centro de Eventos Padre Cleto Caliman, o popular Polentão. Enquanto cantam, os participantes degustam polenta, queijo e linguiças preparadas na chapa dos polenta móveis, geralmente levados por grupos que se organizam para a Serenata. A política é: cada um leva o que vai consumir (bebida e comida) e compartilha com os amigos.


Todos os anos, os Serenata Italiana se supera em originalidade e, destacando grupos de ‘noivas’, de ‘freiras’ e de ‘padres’, que saem de diferentes comunidades. Os modelos das roupas reproduzem as vestes das antepassadas e tem quem retira roupas do baú para se vestir. Há ainda os mais animados que fazem ‘apresentações teatrais’ ao longo do trajeto.


Também entre os atrativos da Serenata, uma réplica de um coreto faz muito sucesso. Vários polentas móveis, uma cozinha móvel e inúmeras outras curiosidades que saem da cabeça e da disposição dos voluntários, tornam o evento mais original a cada ano.


O evento faz parte do calendário anual de atividades culturais promovidos pela Associação Festa da Polenta- Afepol, que também promove o Plantio e a Colheita do Milho.


 * Como participar da Serenata Italiana?


Para quem mora fora de Venda Nova, basta ficar de olho nas atualizações do site da Festa da Polenta.


Marcada a data, é só providenciar hospedagem e chegar na cidade com uma certa antecedência para providenciar o vinho e comprar as iguarias típicas disponíveis nas propriedades do Agroturismo e no comércio de Venda Nova.


Arquinhos de flores, embornais, taças, suspensórios, boinas e outras indumentárias típicas também fazem parte do ritual. Tudo disponível no comércio.


Afepol mantém curso de italiano


A Associação Festa da Polenta- Afepol mantém uma parceria com a Associação de Língua e Cultura Italiana do Espírito Santo- Alcies e oferece para a comunidade um curso de italiano. São aulas semanais de três horas de duração, sempre à noite, nas dependências da própria Afepol.


Com duração de três anos, o curso propõe um contato com a cultura italiana, com noções de geografia, turismo, culinária, comportamento e temas da atualidade. Com coordenação pedagógica da Alcies, o curso se baseia em material didático que simula junto ao aluno situações cotidianas onde o uso da língua italiana é imprescindível.


Não há exigências para participar do curso, somente que é dirigido para pessoas de 13 anos de idade em diante. Para participar, os interessados devem procurar a secretaria da Afepol e se informar. Todos os anos é formada uma turma e uma nova é aberta.


Parte do custo do curso é subsidiado pela Afepol e o valor pode ser pago à vista ou em três prestações. Por se tratar de um curso popular, o valor é simbólico. O material referente ao ano de curso está incluso no valor das parcelas.


Serviço:


Curso popular de língua italiana


Afepol- Venda Nova do Imigrante


Localização: Avenida Pedro Minete (popular Beira-Rio).


Mais informações no telefone: (28) 3546-2112 (segunda à sexta-feira, das 8 às 11h e das 12h30 às 17h).

Texto: Lilia Gonçalves